CCS (Caroline Costa e Silva) tem 31 anos, mora e trabalha em São Paulo. Desde 2014, é integrante e trabalha no Conglomerado Atelier do Centro, onde é discípula do artista Rubens Espírito Santo. Graduou-se em Arte: História, crítica e curadoria na PUC/SP após ter interrompido o curso Matemática Pura na USP/São Carlos. Publicou 6 livros pela Vernacular: Poemas2017, O cavalo azul, 2018, Box vermelho, 2018, Formigas famintas em fila, 2018-19, Contos de Calibã, 2018, Confissões: cartas ao mestre2019 e A mais bonita ruína, 2019; 1 livro pela editora Laranja Orginal em parceria com a Vernacular: War, 2020, além de zines (Depois da pandemia, Sobre o Romantismo sem romantismo, A incompreensibilidade da compreensãoSobre 4 palavras, Sobre 4 poemas e uma fábulaMarquês de Sade, Warburg e a histeria, O morro dos ventos uivantes e a histeria, etc) e as revistas Extrações #1, Extrações #2: Após o fim da arte e Extrações #3: MéthodoParticipou das feiras de publicações independentes Tinta Fresca, Plana, Maru99, Ideal e Publika! 1 e 2.

 

Prêmios e participações

2020

Posfácio do livro "Méthodo RES = plástica + pedagogia + filosofia" de Lila Loula, 2020

Um desenho feito de branco

 

2019

Participação no livro Jackpot de Rubens Espírito Santo

O mesmo: Comentário de CCS ao texto O campo de RES

Prêmio 2a edição do Concurso Novos Talentos da Literatura José Endoença Martins da Universidade Regional de Blumenau (FURB), 2019
Conto O quarto furtivo

Indicação no "Listão" da Revista Quatro Cinco Um - Junho / 2019
Livro Formigas famintas em fila

Participação na Coletânea Poesia Agora Verão 2019
Publicação do poema Verde Musgo

 

2018

Revista Philos - Julho / 2018

Uma casinha bordada na pele do seu pulso - sobre o poema de RES

8a Edição Revista Literalivre - Abril / 2018
Poema Charlote e seu casaco de pele

 

2017

Prefácio do livro 47 poemas de Santos de Rubens Espírito Santo

O que é escrever um poema?